Tags

, , ,

Anúncio do Evangelho (Lc 9,51-62)

O Senhor esteja convosco.

Ele está no meio de nós!

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

Glória a vós, Senhor!

51Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém 52e enviou mensageiros à sua frente.

Estes puseram-se a caminho e entraram num povoado de samaritanos, para preparar hospedagem para Jesus. 53Mas os samaritanos não o receberam, pois Jesus dava a impressão de que ia a Jerusalém.

54Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?”

55Jesus, porém, voltou-se e repreendeu-os. 56E partiram para outro povoado.

57Enquanto estavam caminhando, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”.

58Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”.

59Jesus disse a outro: “Segue-me”.

Este respondeu: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”.

60Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”.

61Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”.

62Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor

    Todo novo conhecimento gera desconfiança, isto é uma assertiva aceita por todos, mas mesmo sendo conhecido é um erro sempre cometido. Quando surge uma nova ideologia sempre surgiram, igualmente, pessoas convencidas em embaraçar-lhe o caminho, porém isso não é uma boa conduta, pois reprime uma nova vereda que outras pessoas poderia percorrer.

   Cada novo conhecimento é uma porta que se abre para o infinito, não devemos proibir que novas ideologias surjam. Todavia, nem toda nova doutrina possui ensinamentos legítimos, algumas são verdadeiras gangrena. Mas, mesmo assim não temos o direito de impedir que ela se difunda, não que seja proibido ou ilícito contradizer com argumentos tanto quanto legítimos.

    Uma má doutrina deve deixar-se crescer com sua livre força, mas deve ser combatida com uma contra força, que é a palavra. Não devemos querer massacrar com violência física para impedir um novo conhecimento. Todo, se assim for entendido, mal conhecimento deve ser combatido com palavras, não co violência, a violência deve ser com persistência em querer combatê-la.

      Ensina-nos, ó Mãe amável, em saber como lidar com uma nova doutrina.

Anúncios